Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , ,

PACTO JOVEM – Estudo Semanal

Série: Doutrinas Bíblicas

Pr.Valdemir Sarmento de Almeida


NOVO NASCIMENTO

Textos Base: João 3:3; 2 Coríntios 5:17;  Gálatas 6:15; João 3:6


A experiência mais relevante da vida de alguém é, sem dúvida, o novo nascimento em Yeshua (Jesus), o Messias. Do mesmo modo que não podemos explicar para um cego o que seja “verde”, também é impossível explicar a alguém o que seja o novo nascimento em Yeshua (Jesus).

 

1 – Não pode ver o Reino de D’us

Ver o Reino de D’us, ao contrário do que muitos pensam, não significa entrar no céu quando morrer. Esta é apenas uma conseqüência futura do novo nascimento, mas não a conseqüência mais imediata. O significado mais imediato de “não pode ver o Reino de D’us” é a total falta de discernimento do quanto D’us está presente e reina efetiva e totalmente sobre todas as coisas. Quem não passou pelo novo nascimento, não consegue enxergar a atuação de D’us em soberano reinado sobre todas as coisas, desde as mais complexas até as mais simples, e principalmente, em sua própria vida. É uma situação de cegueira quanto à realidade espiritual.

O renascido em D’us, ao contrário, consegue reconhecer e perceber a atuação de D’us em todas as coisas de sua vida. O renascido tem a experiência viva em seu coração do que as Sagradas Escrituras afirmam: “Reconhece-O em todos os teus caminhos”. O renascido, sem dúvida, consegue reconhecê-lO em tudo na sua vida, o que não ocorre com os não-renascidos.

A experiência do novo nascimento, que tem como conseqüência o reconhecimento da presença viva do Reino de D’us, é o que traz consigo a paz e a confiança de ter D’us presente conosco continuamente, em todas as ocasiões e em todos os lugares. É uma nova realidade, tanto de existência, como de visão espiritual.

O entendimento da palavra de D’us é como um descortinar da verdade aos olhos dos renascidos. Ver o Reino de D’us na nossa vida presente, é realmente adquirir uma nova natureza que consegue entender o que Ele diz, o que Ele quer, o que Ele faz e o que Ele planejou. A interpretação de “ver o Reino de D’us” como “estar presente no céu após a morte” é muito limitadora das reais dimensões desta realidade e fato. É fato que o novo nascimento nos capacita a estarmos um dia presente diante do trono de D’us nos céus; contudo, o Reino de D’us é eterno, não tendo início e nem fim, pelo que já existia antes de qualquer um de nós, e existirá para sempre. No momento atual em que vivemos, o Reino de D’us é um fato, como sempre foi, e para os renascidos em Yeshua (Jesus), o início é agora, já, no dia que se chama HOJE, e não depois de nossa morte apenas. Ver o Reino de D’us, em suma, é passarmos, desde já, a fazer parte de D’us e Ele fazer parte de nós, numa completa unidade e comunhão. Presença real, tanto no sentido de realidade como de realeza!

2 – Nova criatura é …

As escrituras falam acerca de dois homens: ADAM (genericamente tratando do ser humano) e YESHUA (JESUS). “Adam” é o homem natural, conforme o nascimento natural fruto da concepção no ventre de uma mulher. Embora o primeiro “adam” não tenha nascido do ventre de uma mulher, mas sim formado do “adamah” (barro do solo), genericamente a raça adâmica nasce do ventre da mulher. Nosso primeiro nascimento é segundo “adam”. Este nascimento natural, segundo “adam”, não nos confere nenhuma visão espiritual da realidade do Reino de D’us. Neste nascimento só temos percepção de coisas naturais que nos cercam. Nossa mente é um amontoado de perguntas sem resposta, como um cego que não consegue ver nada exceto o que pode apalpar ou provar.

Nota: No hebraico, “adam” significa homem, pessoa ou indivíduo, segundo o dicionário de Abraham Hatzamri e Shashana More-Hatzamri, como o nome dado a uma espécie e não a um determinado indivíduo. “Adam” vem da palavra “adamah” que significa “terreno, chão”. O relato escritural informa que o ser humano foi formado do pó da terra (chão), pelo que a palavra “adam” usada para denominar a espécie humana, provém da palavra “adamah”. Ao contrário do que é amplamente falado e ensinado, “adam” não era o nome próprio do primeiro homem, mas sim a denominação da espécie humana. As escrituras se referem a um “adam” macho e um “adam” fêmea, o que nem sempre fica muito claro nas escrituras traduzidas, mas é muito evidente nas escrituras originais hebraicas. Algumas versões das escrituras em português traduzem “adam” como “o homem”, no sentido de “ser humano”, ao longo de muitos versos onde a palavra é citada, mas, surpreendentemente, num determinado verso o tradutor passa a traduzir “adam” por “Adão”, com letra maiúscula, como se fosse um nome próprio.

No primeiro nascimento, segundo “adam”, nossa mente natural e nossa total cegueira espiritual, nos tornam muito receptivos a muito engano, muita mentira. Do mesmo modo que um cego, que não tem visão própria, aquele que só possui o primeiro nascimento também não possui visão espiritual própria. Acerca de assuntos espirituais, ele é um alvo fácil para o engano dos que lhe afirmam isso ou lhe afirmam aquilo, porque não consegue ver por si mesmo. A multiplicidade de religiões que cobrem a terra, hoje, é só o resultado desta cegueira espiritual completa, composta de pessoas e mais pessoas que apenas dão lugar ao engano pregado por outras pessoas que dizem ter visão espiritual, embora sejam tão cegas quanto elas. Cegos guiando cegos.

Alguém me perguntaria nesta hora, por que razão deveria dar crédito ao que aqui escrevo? Eu respondo de uma forma muito simples: eu não quero que você aceite o que escrevo. O que eu realmente desejo é que você passe pela experiência do novo nascimento em Yeshua (Jesus), o Messias, quando então você poderá ver por si mesmo, e não precisará apenas considerar minhas palavras.

Yeshua (Jesus) é o Messias, o Homem Espiritual, segundo o qual nascemos de novo. É no novo nascimento, segundo Yeshua (Jesus), o Homem Espiritual, que nós realmente conseguimos ver o Reino de D’us. O novo nascimento em Yeshua não é simplesmente uma “transformação”, mas na verdade, uma “nova criação”. É isso o que significa “nova criatura”.

Yeshua (Jesus) é tratado pelas escrituras como o “último adam”, e também como o “segundo homem”. “Último adam” porque nEle se encerra toda uma geração de homens naturais, nascidos apenas da carne, fruto do ventre de uma mulher. Ele é o “segundo homem”, porque nEle uma nova criação se inicia, a geração dos homens espirituais, nascidos do Espírito de D’us, e não do ventre de uma mulher. (“Carne e sangue não podem herdar o Reino de D’us”).

Yeshua (Jesus) é justamente o elo de ligação entre estas duas gerações. Como raça de adam, Ele nasceu de mulher, viveu segundo todas as nossas limitações naturais, e principalmente, se sujeitou à morte, como se pecador fosse, embora não sendo. Yeshua (Jesus) se tornou a ponte entre estas duas gerações, na verdade, a única ponte capaz de fazer com que alguém passe de uma geração para a outra. Como único elo de ligação entre as duas gerações, ele pode, e deseja, ser para nós o Caminho que conduz a todos de uma criação para a outra; da criação da carne para a criação do Espírito; da criação do pecado para a criação da justiça; da criação da morte para a criação da vida.

Faça essa Oração:

[Senhor Adonai, te agradeço pela oportunidade que o Senhor me deu do Novo Nascimento. Quero viver, a cada momento, o Teu Reino aqui na Terra. Não vou deixar que essa maravilhosa experiência seja “roubada” de mim, mas vou peço-te que me ajudes a guardar minha nova natureza em Jesus. Amém!]


Leitura Semanal

 


Domingo – Colossenses 3

 

Segunda – João 3 – Escreva o seu Comentário sobre o Capítulo

Terça – Jeremias 33 – Escreva o seu Comentário sobre o Capítulo

Quarta – Gênesis 6 – Escreva o seu Comentário sobre o Capítulo

Quinta – Deuteronômio 11 – Escreva o seu Comentário sobre o Capítulo

Sexta – Deuteronômio 12 e 13 – Escreva o seu Comentário sobre os Capítulos

Sábado – Isaías 12; Apocalipse 16 – Escreva o seu Comentário sobre os Capítulos

Anúncios