Tags

, , , , , , , , , , , , , , , ,

Muaga era um típico habitante da região sul da tribo Gaumandi, na Idade da Pedra.  Seus conceitos sobre as coisas eram baseados no que via. Tudo o que entendia era porque teve uma experiência pessoal. Mas não era somente ele que formava seus conceitos no que experimentara, assim também eram os membros de sua tribo.

O mais interessante de tudo era que Muaga e sua tribo Gaumandi achavam que todas as coisas aconteciam para eles. O Sol, conhecido como Dodidodi, existia somente para eles e a Lua, Muhuí, vinha vigiá-los à noite para o Dodidodi descansar e também porque ela não era tão quente e forte, então eles podiam dormir melhor.

Muaga pensava que até mesmo sua tribo existia por causa dele e quando ele saía da presença de sua tribo, ela era guardada em um mundo onde todas as coisas ficavam quando ele não precisava dela. Portanto, o mundo existia para ele.

Certo dia, Muaga resolveu sair para vislumbrar o horizonte e se surpreendeu que à medida que caminhava, as coisas iam sendo criadas para ele (pelo menos ele pensava assim) até que ele se deparou com um outro pinalú (homem) que não fazia parte dos gaumandi. Ele entrou em crise porque aquele pinalú estava usufruindo do chão que ele pisava e das árvores que ele comia e até mesmo do Dodidodi.

Para Muaga, que vivia na Idade da Pedra, nada existia além do que ele tinha conhecimento. Algo que estava fora do seu conhecimento era muito difícil de se entender e até mesmo receber. Muaga entendeu que aquele homem era um inimigo e decidiu se livrar daquele “mal”.

Mas isso não resolveu o problema de Muaga, pois a morte daquele pinalú não mudou a realidade de que existia outros além deles. Muaga teve que se render à realidade de que o  mundo criado é maior do que ele compreendia e que ele não tinha que achar que o que ele não sabia não era verdade.

Nessa pequena estória, podemos refletir sobre o mundo espiritual. Muitos de nós ainda vivemos na Idade da Pedra no conhecimento espiritual e muitas vezes achamos que o pequenino mundo que vivemos é a plenitude da verdade. Isto é ruim porque achamos que as coisas espirituais existem para trabalhar a nosso favor, mas quando descobrirmos que apenas existimos para servimos algo maior e mais completo, poderemos sofrer uma grande crise.

Somos apenas peças de um conjunto de obras perfeitas que existem para um projeto perfeito. Fomos criados para a Glória de D’us, portanto, nossas vidas devem sofrer uma nova reflexão e mudança de atitude.

Porque somente assim poderemos evoluir e alcançar as dimensões de nossa existência. Temos que parar de pensar que tudo existe por nossa causa e até mesmo a nossa Fé.

Que o Senhor lhe faça conhecê-Lo e prosseguir em Conhecê-Lo a cada dia de sua vida e em todos os aspectos dela.

Anúncios